Notas para a prova de Sociologia: Mozart – Sociologia de um gênio, Norbert Elias

[Atenção: Bem vindos ao Festival dos Erros de Digitação e Gramática]

[Atenção 2: O texto abaixo está besta]

Notas da aula

  • A estrutura para o Elias é flexível
  • A passagem de Mozart para outra estrutura teria se devido a uma reelaboração, por atender melhor aos seus “novos” interesses
  • O dom para Elias não é inato, ele se daria pela demanda da estrutura em que o sujeito está inserido, assim, não conheceríamos Mozart em sua genialidade se não tivesse ido para Viena [ele foi embora de Salzburgo, lá ele tinha um limite para suas composições, quando muda de local, tem a possibilidade de manifestar seu “dom”].
  • Mozart fica a vida inteira em Viena sem conseguir se estabelecer [estabelecidos e outsiders]
  • Quando chega à Viena é um outsider que quer se estabelecer, mas não consegue, pois lá não havia uma estrutura que comportasse sua irreverência musical.
  • O processo de amadurecimento – o processo civilizador – mostra a Mozart que aquele lugar não teria a possibilidade de receber uma música artística e Mozart acreditava que era possível
  • O centro musical do mundo era Viena, a questão é que a sua genialidade foi trabalhada durante toda a vida de Mozart; as pessoas se impressionavam com a sua irreverência, mas a verdadeira música de Mozart ainda não estava pronta
  • Quando ele vai à Viena é uma aposta arriscada, ele não consegue o emprego, o que fazia de Viena o centro da música era a busca pelo novo, assim, uma hora seria superado
  • Ele saiu de uma sociedade tradicional para uma de vanguarda, ou seja, movida pelo novo, mas ainda não preparada para a sua música [ô confusão da moléstia]
  • Quando Mozart constrói uma ópera totalmente diferente [mudança de hierarquia quanto à musica e à voz, ele dá mais importância à música]. Quando precisou do aval do imperador esse diz “notas demais, se eu não acompanhei, Viena não acompanhou”
  • Isso não é exclusivo da música.
  • É preciso de uma conjuntura para se aceitar o “novo”. Tem a ver como determinada população percebe determinados fatos. É preciso uma configuração. Tomamos as nossas referências argumentos para julgar o outo. Não entra certo e errado neste debate, não há um parâmetro universal para avaliar.
  • Quando pensamos um dom, devemos saber que ele não é independente da sociedade.
  • O contexto, uma configuração mais ampla são necessários para perceber e reconhecer uma genialidade.
  • A estrutura da época de Mozart era extremamente violenta assim, Mozart não encontrou o seu lugar, mesmo sendo estimulado pelo pai.
  • Tudo varia, não só os espaços, as demandas, mas nós também, quando enxergamos a realidade percebemos os lugares de afirmação para o nosso discurso.
  • A sociedade de indivíduos pressupõe que os indivíduos tenham esse olhar
  • [lembrar de um artista na época da ditadura que colocou fogo em galinhas, naquela configuração cabia, hoje seria impossível – a questão do tempo é importante e para o Elias o tempo é muito, muito importante].
  • O indivíduo não pode ser visto isoladamente como referência para julgar o contexto, o que vale são as adaptações, se pode dar tempo para que o “triângulo branco” fique “preto” como os outros.
  • Se Mozart não tivesse sido estimulado em sua genialidade pelo pai, ele não teria ido buscar o Mais.
  • [a minha genialidade é possível dentro da minha casa, aqui ela não vale nada]
  • Processo civilizador dos críticos deve estar em sintonia com o processo civilizador do artista
  • A revolta de Mozart considerada uma anomalia em Salzburgo não exerce um impacto na existência de Mozart, mas sim o rompimento com o pai. O desenvolvimento do artista está vinculado ao desenvolvimento do homem, assim, a grande referência do pai, quando é rompida, causa a “decadência” de Mozart. [sei lá], sei que o desenvolvimento do artista ligado à vida do homem e é defendido por Elias. Mozart não ser aceito na estrutura tudo bem, mas não aceito pelo pai era inconcebível e assim, ficou doente.
  • No caso do moribundo quando não faz sentido para ninguém faz dele desinteressado pela vida e busca a morte, quando tão estabelece vínculos com suas referências pessoais a vida não faz sentido. Os indivíduos precisam que seus vínculos sejam fortalecidos constantemente. O exemplo do Mozart é importante principalmente por isso. Há um processo civilizador individual, um amadurecimento do homem enquanto artista, há o reconhecimento e um amparo social, principalmente por parte do pai e no momento em que ele arrisca um estabelecimento em Viena e perde o apoio do paterno, perde o suporte identitário, e a morte é uma consequência de todo esse cenário.
  • Existe, segundo Elias, dois modelos de aceitação, em Salzburgo uma música tradicional e em Viena uma música de vanguarda. A relação que o bispo tinha com Mozart e sua música era uma relação de mercadoria, Mozart não tinha liberdade para produzir o que gostava. Em Viena ele encontrou uma incerteza, achou que encontraria um público que o entenderia, sua busca era de reconhecimento por parte do público, das autoridades, da burguesia local, queria ser aplaudido e reconhecido. Um ego foi construído por toda a sua vida e este mito deveria ser reconhecido. Em Viena o público não estava certo de seu próprio gosto musical, um local onde os vínculos artísticos não existiam, lá os artistas ganhavam e perdiam fama rapidamente e ele não queria isso, queria algo mais sólido.
  •  Graças a um processo civilizador há uma contenção do emocional, a sociedade vai sendo racionalizada, uma espécie de coesão por um estado maior [?]
  • Elias apresenta o problema de um artista dentro de um processo racional. Em uma sociedade onde o emocional é racionalizado, onde fica o espaço da arte?
  • Os modelos de Salzburgo e Viena, significam que a sociedade será uma rede de interdependência formada por indivíduos, este dependem de vínculos estabelecidos entre eles, pautados pelas construções e interpretações. Essa rede de interdependência vai criando uma estrutura que compreende os fatores internos e externos que permite que o indivíduo se situe como estabelecido ou não.
  • A configuração não é estanque; há uma configuração em Salzburgo e uma outra que mantém o indivíduo integrado [em Viena não há vínculos, ele continua sendo uma anomalia com outras configurações e outras interpretações] a sociedade é uma interdependência de indivíduos. Em Elias a sociedade é necessariamente um coletivo de indivíduos.
  • Tem-se um grupo das bolinhas, só que as bolinhas são diferentes, assim como as pessoas, então eles têm que estabelecer uma interdependência, estabelecer vínculos que estejam vinculados a fatores, sejam morais, econômicos, etc. Em cada grupo há características especificas.
  • Elias dá relevância às assimetrias das sociedades para que avaliemos a interação. Ele vê Mozart como fora da estrutura, porém a pessoa pode se adaptar, deverá haver algum estabelecimento, ou o grupo ao individuo ou este ao grupo.
  • O fato de um indivíduo sair de uma estrutura social, deixa uma lacuna, o vazio pode fazer parte da estrutura, mas a sociedade pode se organizar de maneira a preenche-la.
  • Para o Bourdieu há uma estrutura que se impõe sobre a sociedade e ela é fixa. Elias recusa, ele fala de uma estrutura que se altera com a sociedade, pois o que faz a estrutura é a interação simbólica. A partir dos vínculos constroem-se ideias, há interdependência. Mozart queria ir à Viena a partir de informações que obteve, os grupos não são isolados, os indivíduos fazem parte de vários grupos, cada um deles contribui para a construção da sociedade. O simples abandono de Salzburgo fez com que as pessoas da cidade se organizassem, a revolta de Mozart quanto ao bispo, proporciona a mudança do pensamento do outro, a manifestação de um manifesta-se no outro.
Anúncios

Sobre Alê Almeida

Alessandra Felix de Almeida
Esse post foi publicado em FESP. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s