Notas Sociologia do Trabalho: Classes Sociais e Contradições de Classe, Marx

Tema da aula: O Debate de Classes sociais na sociologia clássica

  • Não há nenhuma definição exata sobre a classe social em Marx: temos é compreensão de seus estudos sobre as classes sociais dentro do modelo capitalista.

  • Classes sociais à síntese das múltiplas determinações
  • Análise da realidade concreta que podem ser construídas como modelos de análise [construção de um modelo de análise construído para analisar a realidade, a partir da comparação nas recorrências na história]
    • A ideia das Determinações Gerais: construção de um Modelo Ideal [utilizou para compreender a classe social e suas recorrências bem como o modo de produção]
  • Os modos de produção sempre estão ligados a: forma de propriedade; divisão do trabalho[relações de cooperação: isso é importante para Marx: um cobre o outro, lembrar do trabalho no porto, isso faz com que eles sobrevivam, levando a dimensões políticas e a uma consciência de classe, e consequente luta de classe];
    • Relações de produção à organização social
      • São recorrências que servem para analisar o modo de produção como um todo – um Tipo Ideal
  • As classes sociais: modo de produção à consciência à luta de classes
    • Marx observa como é possível, a partir do movimento dessas classes, serem levadas a uma luta de classes
  • No caso da Alemanha, por que não teria havia uma luta de classes?
    • Análise da realidade concreta, em sua forma geral e específica = possibilidade de analisar a existência ou não de uma luta de classe.
      • Só é possível conceituar a classe social porque existe um modo de produção que a define, acarretando na estratificação social, que vem do modo de produção capitalista.
  • Como surge a classe social? A partir das contradições do modo de produção anterior [feudal]

[importância do capitalismo para Marx: ele foi necessário para suplantar a ordem feudal, ‘aparecer’ o proletariado, gerar sua consciência e consequentemente a luta de classes [materialismo histórico]

  • Ele quer entender porque o proletariado não faz a revolução assim como o fez a burguesia. Sua análise pode ser entendida como científica; por que o proletário não tomam para si a posição de revolucionário? A CONSCIÊNCIA é central no pensamento de Marx
  • As classes podem ser identificadas através da renda
    • Operário assalariado – salário
    • Capitalista – lucro
    • Latifundiários – renda do solo
  • Mas quantos dos operários se identificam enquanto operários e adquirem um identidade de classe? Em oposição a outra classe? [acho que isso não gera a tal da consciência e portanto, a posição de revolucionário]
    • É a partir da consciência que vem à classe em si e classe para si
    • A burguesia percebe esse movimento e a necessidade em se constituir enquanto classe política e econômica

[a luta de classes é uma luta política]

[Marx ‘quer’ que as classes sejam homogêneas, mas entende que elas não o são]

  • Proletariado 2 tipos: operário assalariado [qualificado ou não qualificado] e lumpen proletariado
  • Latifundiário 2 tipos: latifundiário e pequeno camponês
  • Classe média à classe de transição
    • Isso demonstra que as estruturas de classe são heterogêneas, de modo que a criação de uma consciência de classe tem seus obstáculos

[em uma família, mesmo os que não trabalham, deveriam fazer parte da mesma sociedade de classe do operário da família]

  • Classe é categoria relacional, não existe ‘A’ classe social; há vários estratos sociais, assim é relacional

[no caso dos trabalhadores do porto, há a consciência de que dentro daquele estrato não estão sozinhos]

  • Marx pensa como é que se pode se chegar à consciência de classe e para isso utiliza o exemplo da burguesia que fez a revolução
  • Como se chega ao comunismo?
    • As determinações gerais e específicas são fundamentais para entender esse caminho e auxiliar na construção da consciência
  • Ideologia: produção da classe dominante à atos que são colocados para a classe dominada.
  • A aliança de classes é muito importante: luta pela jornada de 40 horas/semana para todas as classes e não apenas para uma [uma consciência geral de que o que é bom para uma classe é bom para todas = +/- Comunismo?], por outro lado o PT teve que fazer aliança de classe com a burguesia para ascender ao poder [política].
Anúncios

Sobre Alê Almeida

Alessandra Felix de Almeida
Esse post foi publicado em FESP. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s