Fui agredida

aware-helpline-verbal2Ontem fui agredida por um bacharel. Dizem que ele é conhecido, mas confesso que não sei o que realmente significaria este tal de “conhecido”.
Não posso citar o seu nome, foi o que orientou uma amiga advogada. É um “colega”. Aquele um vaidoso…. aliás, fez bem o diabo ao escolher a vaidade como o seu pecado preferido.

A agressão durou cerca de 30 minutos, com direito, por parte do agressor, a olhos inflamados, mãos esfregando o rosto, batidas na mesa, aumento do tom da voz, expressões faciais de coitado e frases como:

  • “Desculpe, eu não quis dizer isto”;
  • “Eu entendi que você disse outra coisa, por isto fiquei tão irritado”; e
  • “É que eu sou muito passional”.

aware-helpline-verbal1Da minha parte tive direito a tremedeira, nó na garganta, a fala de algumas frases desconexas, sorrisos forçados e um olhar de desdém (este último o levou à loucura).
O motivo?
Ainda não sei direito, mas tudo começou quando informei uma decisão de um grupo de mulheres que provavelmente não atendia às suas expectativas. O bom e velho machismo, o pior deles: o de esquerda. Nada de novo. Entre chorar e erguer a cabeça, escolhi a última opção. Mas saí machucada.

aware-helpline-verbal3Por fim, entre calar, contar esta história para pessoas próximas ou dar publicidade, também decidi pela última opção, ainda que não em detalhes. Eles não necessários, conhecemos todos eles.
Penso que esta publicidade vale para que nenhuma agressão sofrida, por nós mulheres através do macho que não deve ser considerado homem, fique restrita ao nosso travesseiro molhado, às amigas mais próximas, à terapeuta e tantos outros meios que encontramos ou inventamos para amenizar o que tanto nos causa terror. O resultado desta conduta, que mais parece uma gramática, é a perpetuação de um machismo que nos tira o ar.
As mulheres nada têm a perder ao compartilhar tais situações, “senão os seus grilhões”.

Crédito das Fotos: AWARE – Association of Women for Action and Research (Singapura)

Anúncios

Sobre Alê Almeida

Alessandra Felix de Almeida
Esse post foi publicado em Uncategorized. Bookmark o link permanente.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s